Asma Induzida pelo Exercício

24/04/2021

Você sabia que o exercício físico extenuante pode gerar uma crise asmática? Sim, a asma induzida pelo exercício (AIE) é uma obstrução transitória ao fluxo durante (entre 5 e 40 minutos do início) ou após (até 6 horas) um exercício físico vigoroso. Seus principais sintomas são a falta de ar, a tosse, o chiado no peito e a acentuação do cansaço. 

A asma induzida pelo exercício (AIE) é uma doença muito comum em atletas de elite - cerca de 17% dos atletas olímpicos apresentam algum grau da AIE.
A asma induzida pelo exercício (AIE) é uma doença muito comum em atletas de elite - cerca de 17% dos atletas olímpicos apresentam algum grau da AIE.

E como ela acontece? Existem diversas teorias que tentam explicar a AIE. A primeira delas é referente a desidratação das vias aéreas que gera  uma contração muscular, diminuindo o diâmetro e aumentando a resistência ao fluxo. Em outras palavras, os "canos" que conduzem o ar até o pulmão ficam mais estreitos - ficando mais difícil respirar. Geralmente se exercitar em ambientes muito seco e/ou muito frio podem gerar essa desidratação das vias aéreas podendo ocasionar um ataque de asma.

A segunda teoria da AIE é relacionada com o exercício físico no inverno. Uma das funções da vias aéreas é o aquecimento do ar antes de chegar aos pulmões - criando um ciclo de resfriamento (o calor das vias aéreas passa para o ar aquecendo-o) e reaquecimento (o sangue quente reaquece as vias aéreas). Porém, durante um exercício físico vigoroso no inverno, esse ciclo resfriamento/reaquecimento é acentuado tanto pela temperatura como pelo volume de ar sendo respirado (quanto maior a intensidade, tecnicamente você precisa de mais ar) causando uma reação similar a desidratação levando a contração muscular e diminuição do calibre das vias aéreas.

Se exercitar no frio é um dos fatores de risco para ter um ataque de asma induzido pelo exercício - mesmo não sendo asmático.
Se exercitar no frio é um dos fatores de risco para ter um ataque de asma induzido pelo exercício - mesmo não sendo asmático.

Pessoas asmáticas possuem um risco ainda maior para sofrer com AIE porque, além da questão da desidratação e do resfriamento/reaquecimento, elas são sensíveis a outros alérgenos (causadores do ataque asmático) como poluição, poeira, pólen, entre outros.

Sendo assim, os fatores de risco que servem como gatilho para a AIE são o ar frio, ar seco, poluição (por isso evitar se exercitar em ruas/avenidas muito movimentadas), o cloro das piscinas e atividades submáximas por longos períodos como corridas ou até esportes que durem mais que uma hora como uma partida de futebol.

Mas como eu posso prevenir a AIE?

As duas principais medidas de prevenção são a diminuição a perda de calor para o ambiente (se exercitar com a vestimenta adequada) e manter uma hidratação adequada - mesmo que você não produza tanto suor durante o exercício no inverno. Boa parte da perda de água no inverno acontece pela respiração. A realização de aquecimentos submáximos antes do treino também é uma saída eficiente na redução da AIE. Além disso, é claro, aqueles que fazem tratamento com remédios para asma devem ser seguir com o uso normalmente.


Por Ricardo Schultz Martins

  • Bacharel em Fisiologia do Exercício pela Acadia University
  • Mestre em Fisiologia do Exercício pela Brock University
  • Especialista em Suplementação Esportiva pela Dietitians of Canada
  • Acadêmico de Medicina pela Universidade do Planalto Catarinense