top of page

Dor na sola do pé: a fasciopatia plantar

Por Maria Eduarda Vieira


De corredores a trabalhadores, essa patologia atinge diversas populações e, para explicar como tudo acontece, partimos da premissa que não ocorre apenas uma inflamação aguda e sim, um processo degenerativo crônico. Ainda, não é a fáscia quem sofre e sim, uma estrutura chamada aponeurose, que faz parte dela. Essa disfunção é conhecida como: fascite plantar. Mas, vamos lá ao post de hoje.

A fáscia plantar é composta por um tecido conjuntivo que tem por função sustentar o arco do pé. Ela é formada por uma base central (aponeurose) mais grossa e por estruturas tanto medial (parte de dentro) e lateral (parte de fora) mais finas. Na imagem logo abaixo é possível identificar melhor a estrutura.

Assim, a degeneração ocasionada leva ao espessamento e a fibrose no local gerando um processo inflamatório de dor, isto é, em sua maior parte no calcanhar. Os estágios de dor podem variar, bem como, a restrição de movimento.


Ainda, sua função essencial é realizar a contração durante a última fase de sustentação do peso durante uma caminhada (conseguiu visualizar? Caso contrário veja na imagem logo abaixo), como também, a forma como auxiliar o movimento da articulação a realizar a dorsiflexão (o movimento de dobrar o pé).

A causa específica da lesão é pouco compreendida e multifatorial. Na maioria dos casos deve-se considerar a amplitude de movimento limitada da dorsiflexão do tornozelo e uma alta taxa de massa corporal como fatores preditores para o desenvolvimento da patologia e consequentemente de dor.


E como solucionamos esse "problema"? Em sua maior parte é de forma conservadora.

Nesse caso, com o manejo das condições que possuem relação com a lesão. Em sua

maioria, com recursos como a realização de alongamentos dos músculos intrínsecos da panturrilha e da fáscia plantar, mobilizações de tecido mole, manipulação da articulação subtalar, uso de órteses como palmilhas, utilização de bandagens e administração do controle de intensidade das atividades e exercícios.

Parece inocente sentir dor na sola do pé, entretanto o incômodo gera interrupção dos movimentos, como o simples caminhar. Ou seja, tratar a causa é fundamental.



Maria Eduarda Vieira




  • Coordenadora da Liga Acadêmica de Fisioterapia em Traumatologia Ortopédica e Desportiva

  • Acadêmica de Fisioterapia da Universidade de Caxias do Sul


3 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page