top of page

Vilãs ou Heroínas: entenda o real efeito das botas pneumáticas

Por Dra. Maria Eduarda Vieira

Você provavelmente já deve ter visto alguém utilizando ou talvez até mesmo usado as botas pneumáticas. Mas, qual a real funcionalidade delas? Primeiro precisamos entender a necessidade do corpo e depois o que as botas exercem de benefício pra ele.

Vamos lá, regularmente o corpo está gerando resíduos metabólicos à medida que produz e usa a sua energia. Esses resíduos circulam por todo o sangue, serão excretados através do processo metabólico, no qual não poderá ser utilizado pelo organismo. Já, no que se diz respeito por meio da compressão através das botas pneumáticas é simples: auxiliam o sistema a aumentar o fluxo sanguíneo para certas áreas do corpo que ajudam a circular esses resíduos para se livrar deles mais rapidamente.

Ou seja, os dispositivos pneumáticos de compressão inflam e desinflam mecanicamente (utilizado em sua maioria na região dos pés até o quadril é possível verificar na imagem) que aumentam o fluxo sanguíneo. Isto é, essa constrição intermitente aplicada tende a gerar benefícios colaborando na melhora da circulação, na recuperação muscular, na remoção dos resíduos (um exemplo é o ácido láctico) e no aumento da amplitude de movimento. Sendo que, sua utilização é em sua maior parte, após a prática esportiva ou mesmo do exercício físico realizado.



Agora imagine que após o treino na academia ou de um jogo de tênis, esse desperdício metabólico está em suas células ocupando espaço, como se estivesse "descansando". Por outro lado, por meio da compressão é possível estar trazendo novos nutrientes para o músculo potencializando a recuperação, o reparo e a reconstrução muscular mediante a melhoria da vascularização e fluidez.

Entretanto, mesmo que proporcione os benefícios citados é importante antes de realizar a utilização consultar um profissional, dado que, possui contraindicações. Em sua maioria das vezes, quando uma pessoa tem doença significativa o suficiente para que a compressão aplicada possa impedir o fluxo, um exemplo é a doença arterial periférica e nesse caso, não será a heroína para a retirada de resíduos e sim, uma vilã.

Logo, o efeito por trás da compressão está vinculado com a finalidade e com os cuidados quanto a aplicação.


Maria Eduarda Vieira

Fisioterapeuta pela Universidade de Caxias do Sul.


9 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page